A Cárie é uma doença perigosíssima e pode levar à perda dos dentes.

Afinal, o que é (exatamente) uma Cárie?

“Escove os dentes 3x ao dia, senão você vai ter Cárie!” Apostamos que você já ouviu isso muitas vezes. Mas, afinal, como exatamente essa doença se desenvolve? É o que você vai descobrir agora, neste post!


A Cárie (ou “deterioração dental”) é um problema de saúde bucal extremamente perigoso e que pode causar desde a perda do dente afetado a, até mesmo, sérias infecções no corpo.

Por exemplo, uma deterioração bacteriana não tratada pode comprometer a estrutura dentária por completo e atingir a corrente sanguínea, espalhando a infecção pelo resto do organismo.

Agora que você já conhece o real perigo da Cárie, confira o que é exatamente essa doença e como ela se desenvolve!

O que é a Cárie/Deterioração Dental

A Cárie é uma doença multifatorial que envolve um desgaste do esmalte dentário que pode se tornar irreversível.

A erosão da superfície mais externa do dente começa de modo razoavelmente discreto, assumindo a aparência de manchas brancas ou amarronzadas.

Porém, caso o problema não seja tratado, a coisa logo pode ficar bem feia!

Isso porque, à medida que as bactérias colonizam a superfície dental, elas vão corroendo o esmalte e se infiltrando pela dentina.

Desta forma, o dente acaba ficando com um verdadeiro buraco por onde micro-organismos perigosos podem entrar e fazer a festa!

E, se a pessoa não for ao Dentista com urgência para resolver a situação, as seguintes coisas podem ocorrer:

O que pode acontecer quando você tem uma Cárie

1. As bactérias que promovem a infecção fazem que o sangue seja bombeado para a polpa, aumentando a pressão sobre ela;

2. Isso acontece porque o organismo envia anticorpos para combater a infecção através do fluxo sanguíneo.

Porém, como a polpa se encontra cercada pelo resto da estrutura dental, o excesso de sangue poderá deixá-la inchada e comprimi-la contra as “paredes” do dente;

3. Provavelmente, a essa altura o indivíduo começará a sentir dores no dente afetado, pois sua polpa (nervo do dente) estará se inchando e sendo apertada;

4. Por fim, ou as bactérias atingem o nervo ou o dente morre antes mesmo de isso acontecer devido à compressão.

Todo esse processo termina com a perda completa do dente, que precisará ser removido da boca.

Além disso, é possível que os micro-organismos que provocaram a doença se espalhem pelo corpo e ocasionem outros problemas de saúde!

Confira abaixo um resumo de como a Cárie progride em um dente:

Progressão da Cárie
A Cárie começa afetando a estrutura dentária apenas superficialmente. Porém, ela pode corroer o esmalte e atingir a dentina e a polpa, tornando-se um problema muito perigoso. Fonte: InfoEscola

Quando o assunto envolve doenças, o mais interessante é sempre procurar se prevenir. E, é claro, com a Cárie a história não podia ser diferente!

Por isso, a principal meta que você deve ter para evitar esse tipo de infecção é impedir que seus dentes sofram uma desmineralização acentuada!

Mas o que é essa “Desmineralização”?

Você sabia que o esmalte é o tecido mais duro do corpo inteirinho?

Isso se deve ao fato de 97% da estrutura do esmalte ser composta por um mineral conhecido como hidroxiapatita.

Ué, mas se a hidroxiapatita é assim tão forte, como as bactérias conseguem corroê-la?

Acontece que, embora esse revestimento mineral seja muito duro e resistente, ele não é imune às leis da química!

Na verdade, o esmalte dentário não fica 100% inteiro em todos os momentos do dia.

Devido a um processo conhecido como “equilíbrio químico“, ele está sempre se desfazendo e refazendo um pouco!

E o que é o Equilíbrio Químico? O que ele tem a ver com o esmalte dos dentes?

A resposta é: absolutamente tudo! Basicamente, na natureza algumas reações podem ocorrer tanto no sentido “normal” quanto no “contrário”!

Isso quer dizer que, por exemplo, você pode ter uma substância sendo formada num sentido da reação e consumida no outro.

Esse tipo de fenômeno é conhecido como “reação reversível” e a formação do esmalte dental pertence a essa categoria.

Ou seja, a hidroxiapatita está sempre em equilíbrio com os materiais que formam o seu cristal, e a ideia é que nós, com uma boa técnica de escovação e visitas regulares ao Dentista, mantenhamos esse equilíbrio favorável à preservação da estrutura cristalina!

Essa imagem nos permite visualizar melhor o mecanismo de mineralização (formação de hidroxiapatita) e desmineralização (perda de estrutura cristalina). Fonte: Mundo Educação.

Esse assunto envolve uma química mais profunda, mas o ponto central é bastante simples:

Devemos, a todo custo, tentar impedir que a hidroxiapatita se desfaça incentivando a reação que a produz!

Resumindo:

  1. Quando falamos em mineralização do esmalte, estamos tratando do processo de formação da hidroxiapatita;
  2. A desmineralização do esmalte, por sua vez, é o que ocorre quando a hidroxiapatita se desfaz em seus materiais de origem.

Acidez – a Grande Vilã do esmalte

Se você já estava se perguntando como é que podemos potencializar a remineralização do esmalte, aqui vai a resposta!

O segredo é um só: impedir que seus dentes fiquem expostos a um ambiente ácido!

Os ácidos dos alimentos (e os produzidos por espécies de bactérias bucais) são capazes de incentivar o processo de desmineralização, fragilizando a estrutura dentária.

Caso o esmalte fique muito tempo sendo submetido a um ataque ácido, a reação de remineralização não conseguirá ocorrer de forma eficiente e parte do tecido será perdida de forma irreversível.

E é justamente para impedir que isso aconteça que os fabricantes de pastas de dente incluem agentes terapêuticos em suas formulações, como o flúor!

Como o Flúor pode ajudar a prevenir a Cárie

Se lembra de toda aquela conversa sobre reações e equilíbrio químico? Pois é nisso daí que o flúor interfere!

Os íons fluoreto são capazes de substituir espécies hidroxila e fazer que o mineral resultante (fluorapatita) seja mais resistente à degradação em meio ácido.

Deste modo, os cristais que recobrem o dente conseguem aguentar uma acidez maior do ambiente bucal sem se desfazer muito, prevenindo a Cárie.

No entanto, esse mecanismo nem sempre dá muito certo: o uso excessivo do flúor pode acarretar diversos problemas de saúde, como a fluorose dentária.

A fluorose dentária é uma doença que se caracteriza por causar deformações na estrutura do esmalte.

Ela costuma afetar indivíduos que tenham escovado os dentes utilizando cremes dentais com flúor durante a fase de transição entre a dentição de leite e a permanente.

Nesse período, a inserção do flúor nos cristais pode se dar de forma desordenada, gerando um mineral de aparência muitas vezes desagradável e que pode deixar o dente frágil!

Esse problema manifesta-se de várias maneiras, dependendo da quantidade de flúor consumida.

A pessoa afetada pode apresentar desde manchas discretas esbranquiçadas ou amareladas a, em situações mais graves, dentes marrons e com o esmalte desgastado.

Exemplos de casos de fluorose dentária. Fonte: iDent.

A ação alcalinizante do Carvvo previne a Cárie de forma segura

Para fechar nosso post, explicaremos como o Carvvo consegue prevenir a acidez bucal de forma segura e, assim, proteger os seus dentes contra a Cárie!

De acordo com um estudo conduzido por um formando em Odontologia do Centro Universitário UniRuy|Wyden de Salvador, o Carvvo consegue reduzir a presença de espécies ácidas na saliva, fortalecendo a remineralização!

Pote de Carvvo
Acrescente o Carvvo à sua rotina de higiene bucal e veja a diferença!

É sempre bom lembrar que nosso dentifrício contém carvão ativado, um ingrediente famoso por remover ácidos e outras substâncias perigosas através de sua grande capacidade de adsorção!

É deste modo que ele consegue alcalinizar o pH bucal e manter seus dentes fortes e protegidos!

E este foi o nosso post sobre o que é a Cárie! Fique de olho nas novidades do blog e não perca outros conteúdos sobre saúde bucal!

Um abraço e até a próxima!

Leia também