Você sabia que ir ao Dentista te ajuda a prevenir doenças como o diabetes e o Alzheimer?

Ir ao Dentista é tão importante quanto ir ao Médico. Entenda

Se você é do time que enrola até não poder mais para ir ao Dentista, temos más notícias! Você sabia que há várias doenças sistêmicas que estão associadas a uma saúde bucal ruim? Confira por que ir ao Dentista regularmente pode salvar a sua vida!


Infelizmente, a maioria das pessoas acha que ir ao Dentista é algo “opcional” ou que só precisa ser feito na hora em que o dente começa a doer.

Para piorar, muita gente acha que problemas nos dentes e na gengiva são “normais” e acontecem com todo mundo.

No entanto, o tratamento (ou eventual prevenção) de uma cárie ou gengivite é somente a pontinha mínima do iceberg que é a saúde bucal.

De fato, as chamadas “doenças periodontais“, que são a principal causa de perda de dentes em adultos, se destacam por desencadear um impacto sistêmico. E esse impacto é, quase sempre, completamente ignorado pelas pessoas.

Sim, é exatamente isso que você leu. De acordo com evidências científicas dos últimos 10 anos, problemas de saúde bucal têm relação com problemas de saúde sistêmica (isto é, que afetam diversos tecidos e órgãos ou o corpo como um todo).

Agora imagine se alguém tivesse te avisado desde o começo que as bactérias que provocam doenças bucais podem ser as grandes vilãs por trás de distúrbios como a arterosclerose e o diabetes? Com certeza você nunca mais ia pular uma visita ao seu Dentista!

Confira a seguir 3 doenças sistêmicas graves que têm relação com problemas de saúde bucal!

3 doenças sistêmicas que você pode evitar indo ao Dentista mais vezes

Aterosclerose

A primeira doença sistêmica que tem uma associação forte com problemas de saúde bucal que vamos te apresentar é a aterosclerose.

A aterosclerose é, segundo a Academia Nacional de Medicina, uma condição de endurecimento das paredes das artérias causado pelo acúmulo de placas de gordura. E ela é considerada a “causa subjacente” de cerca de 50% das mortes entre indivíduos de sociedades ocidentais.

De fato, essa doença é a origem mais comum de problemas cardiovasculares, podendo, com o tempo, ocasionar derrames.

A essa altura você deve estar se perguntando onde a questão da saúde bucal entra nessa história e já vamos te explicar tudinho.

Como doenças bucais podem provocar ou piorar a aterosclerose

Embora isso não pareça ter muito a ver com algo que você possa prevenir ou tratar com um Dentista, aqui vai a surpresa: as bactérias que causam doenças periodontais são capazes de “invadir” a corrente sanguínea e afetar as artérias, causando ainda mais problemas!

Acontece que essas bactérias liberam toxinas que incentivam as células a produzir moléculas pró-inflamação, as citocinas.

De um modo geral, a síntese de citocinas não é necessariamente algo ruim. Afinal, essas substâncias são utilizadas pelo corpo para combater os micro-organismos invasores, estejam eles num tecido bucal ou num vaso sanguíneo.

A grande questão é que, ao fazer isso, as citocinas podem acabar promovendo a produção de espécies químicas que induzem transformações em moléculas de gordura (dentre outras), o que é especialmente perigoso para a saúde do coração.

Essas moléculas de gordura modificadas quimicamente (por vezes, junto com as próprias bactérias periodontais que deram início a tudo isso) se acumulam nas paredes das artérias, entupindo-as com o passar do tempo.

Como se não bastasse, alguns subprodutos das transformações químicas que citamos são bastante tóxicos e incentivam mais uma vez a produção de citocinas, contribuindo para o estabelecimento de um quadro crônico de inflamação.

E esses processos inflamatórios crônicos têm uma série de consequências terríveis, como um estímulo à destruição das células e, até mesmo, a danos ao DNA.

Em resumo, as bactérias que atacam o periodonto podem inflamar os vasos sanguíneos. Além disso, esses micro-organismos podem incentivar o acúmulo de placas de gordura nas artérias e provocar graves (e, ocasionalmente, fatais) distúrbios de circulação.

Ir ao Dentista pode te ajudar a prevenir o entupimento das artérias!
Na aterosclerose ocorre a formação de placas de gordura e bactérias nas paredes das artérias. (Reprodução: blog da Universidade de Harvard).

Diabetes

O diabetes é mais uma doença sistêmica que parece estar firmemente associada a problemas de saúde bucal, em particular, a periodontite.

Médicos e Dentistas já haviam determinado há décadas que distúrbios crônicos do metabolismo de açúcar aumentavam de 2 a 3 vezes o risco de um indivíduo de desenvolver doenças periodontais

E isso seria explicado pelo fato de um excesso de açúcar na corrente sanguínea estimular alterações químicas em proteínas e moléculas de gordura.

Essas substâncias, por sua vez, ativam respostas inflamatórias do organismo (como dissemos há pouco), eventualmente danificando células e tecidos, incluindo os dos ligamentos periodontais. Deste modo, o trabalho das bactérias que colonizam e destroem o periodonto acaba sendo facilitado.

Mas isso não é tudo: pesquisas recentes têm demonstrado que a relação entre o diabetes, em particular, o tipo 2, e as doenças periodontais é uma via de mão dupla.

Em outras palavras, pessoas que sofrem de periodontite são mais propensas a ter dificuldades de regular seus níveis de açúcar e, consequentemente, a adquirir ou agravar quadros de diabetes.

Como a periodontite pode causar ou piorar quadros de diabetes

Há algumas hipóteses propostas pelos estudiosos para justificar esses resultados. Por exemplo, devido ao fato de certos parâmetros de inflamação associados à periodontite, como as citocinas da classe IL-6, estimularem o surgimento de uma resistência à insulina, é possível que esse seja um mecanismo pelo qual as doenças periodontais causem quadros de diabetes tipo 2.

Também existem evidências que apontam para um aumento da severidade das complicações do diabetes causado pela periodontite.

Dentre as complicações analisadas, podem-se citar a doença arterial coronariana, que é uma consequência da aterosclerose que mencionamos na seção anterior, e acidentes cerebrovasculares.

Felizmente, no entanto, o tratamento de doenças periodontais demonstra ter um efeito positivo (e clinicamente relevante) sobre o controle glicêmico.

Portanto, da mesma forma que a periodontite pode piorar bastante a saúde dos diabéticos, sua prevenção e seu tratamento podem ajudar esses indivíduos a ajustar melhor os níveis de açúcar do seu sangue.

Assim, não é surpresa que o papel do Dentista esteja sendo considerado essencial para a manutenção da saúde de indivíduos diabéticos, não é mesmo?

Ir ao Dentista também pode ser uma forma de prevenir o diabetes ou aliviar suas complicações.
A periodontite pode dificultar o controle dos níveis de açúcar no sangue. (Reprodução: RedeVik).

Alzheimer

Se você ainda não tinha se convencido de que ir ao Dentista para cuidar dos seus dentes e do seu periodonto era algo absolutamente necessário, aqui vai mais um incentivo!

De acordo com uma quantidade crescente de estudos, é bem possível que manter a saúde bucal em dia seja um dos segredos para preservar a saúde do seu cérebro.

Basicamente, a progressão do Alzheimer envolve inflamações (sim, elas de novo!) cerebrais que podem ter origem em processos inflamatórios de outras partes do corpo, como o periodonto.

No decorrer da doença, são formadas placas de uma proteína chamada beta-amiloide, bem como emaranhados de outra proteína (a tau), que afetam o funcionamento do cérebro de maneiras diferentes.

As placas de beta-amiloide se depositam entre os neurônios, dificultando a comunicação entre eles. Já as fibras de proteína tau se acumulam dentro dos próprios neurônios, comprometendo a estrutura deles.

Agora que você já conhece melhor os mecanismos que interferem no desenvolvimento do Alzheimer, confira exatamente como a periodontite pode contribuir para que a doença se estabeleça ou progrida.

A ligação entre a periodontite e o Alzheimer

Lembra que dissemos lá no começo do texto que as bactérias que causam doenças periodontais podiam cair na corrente sanguínea? E, consequentemente, migrar para outras partes do corpo?

A essa altura você já deve ter adivinhado. Sim, elas podem chegar ao cérebro (e, ao que tudo indica, fazer um verdadeiro estrago por lá).

Primeiramente, as bactérias da espécie Porphyromonas gingivalis encontradas nos cérebros de pacientes com Alzheimer produzem substâncias conhecidas como “gingipains”.

Essas gingipains são enzimas tóxicas muito perigosas, que provocam uma degeneração da proteína tau e a convertem nos fragmentos que formam os emaranhados que prejudicam os neurônios.

Ademais, há estudos que associam a presença das bactérias P. gingivalis com um acúmulo maior de beta-amiloides, que “entopem” o cérebro e comprometem a comunicação entre as células.

Deste modo, podemos concluir que esses micro-organismos que atacam o periodonto também têm uma ação altamente destrutiva sobre os neurônios e comprometem o bom funcionamento cerebral, contribuindo para o desenvolvimento e a piora do mal de Alzheimer. Já pensou no perigo?

Bactérias que causam doenças periodontais podem atingir o cérebro e contribuir para a formação dos parâmetros que definem a doença de Alzheimer.
Comparação entre um cérebro saudável e um afetado pelo Alzheimer. (Imagem adaptada do site The Brain.MCGill).

Já deu para ver que ir ao Dentista e se proteger da periodontite é mesmo essencial, não é? Nós, da Carvvo, reafirmamos nosso compromisso e nosso respeito pela Classe Odontológica e pelos demais Profissionais de Saúde.

Afinal, são eles que fazem de tudo para garantir o nosso bem-estar, mesmo que, para isso, coloquem suas próprias vidas em risco!

E este foi o nosso post sobre por que ir ao Dentista regularmente é tão importante quanto ir ao Médico. Continue fazendo a sua parte para manter a saúde bucal em dia e se proteger de todas as doenças que citamos!


Um abraço e até a próxima!

Leia também